sábado, 23 de maio de 2015

MAGMA - Philharmonic Hall - 1973



Entre todos os registros não-oficiais postados por aqui nos últimos anos, esse é o que menos se parece um bootleg. Qualidade impecável com poucos ruídos e gravação limpa para destacar ainda mais toda a complexidade do som executado pela banda naquela noite.

Hoje serei um tanto cara-de-pau e vou transcrever um pequeno resumo que fiz sobre o Magma em uma postagem anterior. Não faz sentido falar sobre a mesma coisa duas vezes, preciso economizar tempo e espero que não se importem.

"O Magma foi formado na França no fim dos anos 60 com toda a excentricidade de seu líder e baterista gênio/lunático Christian Vander, que deu mais vida ao rock progressivo criando um sub-gênero próprio denominado por Zeuhl, que significa "celeste" no dialeto Kobaïan, linguagem também criada por Vander e exclusiva da banda, o que se tornou um ponto de extrema importância para todo o sucesso do Magma.

Kobaïa é um planeta situado em um universo paralelo com péssimas condições climáticas e com nativos determinados a germinar o mau. Com o planeta Terra em destruição, um grupo de pessoas se mudam para Kobaïa com o objetivo de arquitetar uma nova civilização mas os nativos Kobaïns acabam entrando em conflito com os terráqueos. Toda essa guerra é narrada ao decorrer da magnífica discografia da banda que também aborda temas como as divindades e crenças do planeta Kobaïa.

O som executado pela banda é de extrema criatividade e circundado por excelentes rodas de compasso, com arranjos teatrais e guitarras pesadas e distorcidas. Efeitos medonhos de voz e os tambores de Vander também dão um certo destaque a toda discografia dessa banda que é considerada por mim como uma das mais criativas e inovadoras de todos os tempos, fora o experimentalismo e as técnicas de improvisação com batidas voltadas para o Jazz e desenvolvidos por pelo menos oito integrantes que fazem parte desse bizarro projeto."



Esse registro foi gravado no Philharmonic Hall (hoje conhecido como Avery Fisher Hall), situado à cidade de Nova York em 7 de Julho de 1973 e conta com apenas duas faixas que ilustram com clareza a áurea fase do experimentalismo musical criado por Vander em sua primeira passagem por terras americanas.

A primeira delas é um pequeno e genial medley resumindo as duas partes da faixa título do disco Köhntarkösz, que viria ser lançado no início do ano seguinte e cumpriu com maestria mais uma saga no obscuro planeta Kobaïa.

A segunda faixa é a execução na íntegra do álbum Mëkanïk DëstruktÏw Kömmandöh que na época foi um dos carros-chefe em termos de divulgação do Magma pelo mundo.


Desejo a todos uma boa viagem rumo ao planeta Kobaïa!






TRACKS:

01. Tuning Up 

02. Köhntarkösz (excerpt) 
03. Mekanïk Destruktïw Kommandöh 





YANDEX

quarta-feira, 20 de maio de 2015

RUSH - St. Louis - 1980 (REMASTER EDITION)



Talvez esse seja um registro indispensável aos fãs mais enérgicos da banda, que até onde sei, existem milhares deles espalhados por todo o mundo. 

Esse bootleg foi gravado de uma rádio americana durante a tour do album Permanent Waves e, posteriormente, foram prensadas cópias em vinil, sendo quatro LP´s. 
Anos mais tarde, alguma alma caridosa fez o favor de remasterizar esse material e jogar as cópias na internet fazendo com que a qualidade do audio se tornasse ainda mais incrível. 

O disco conta com faixas de excelente albuns do Rush tais como seu homônimo de 1974, Caress of Steel e Fly By Night ambos de 1975, 2112 de 1976, A Farewell To Kings de 1977, Hemispheres de 1978 e o já citado Permanent Waves também lançado em 1980. 

Destaque para faixas como Spirit Of Radio e a bela execução de 2112 e suas tempestivas suites. 

Essa apresentação ocorreu nos dias 11 e 13 de Fevereiro de 1980 na cidade de St Louis, apenas um mês depois do lançamento do Permanent Waves.


TRACKS:

01. 2112: Overture   
02. The Temples Of Syrinx    
03. Discovery   
04. Presentation    
05. Soliloquy    
06. Grand Finale    
07. By-Tor And The Snow Dog   
08. Xanadu   
09. The Spirit Of Radio   
10. Natural Science   
11. Beneath, Between, Behind   
12. Working Man   
13. Finding My Way Intro   
14. Anthem   
15. Bastille Day   
16. In The Mood   
17. Drum Solo   
18. La Villa Strangiato 

YANDEX

sábado, 16 de maio de 2015

PINK FLOYD - Paradiso - 1968


Bootleg gravado em duas datas distintas, as faixas de 1 a 4 fazem parte de uma apresentação na cidade de Amsterdã em de Maio de 1968. 

Dizem por aí que essa foi a última aparição ao vivo de Barret no Floyd. 
As faixas de 5 a 7 foram gravadas em 5 de Maio de 1968 em Roma e a faixa 6 é uma pequena entrevista de Waters.

A qualidade sonora do show de Amsterdã não é das melhores mas vale o registro aos colecionadores, já o show de Roma, a qualidade é impecável.


TRACKS:

1. Let There Be More Light
2. Interstellar Overdrive
3. Set the Controls for the Heart of the Sun
4. A Saucerful of Secrets
5. Astronomy Domine
6. Roger Waters Interview
7. Set the Controls for the Heart of the Sun



quinta-feira, 14 de maio de 2015

GENTLE GIANT - King Biscuit Flower Hour - 1975



Mais um excelente registro ao vivo da banda mais criativa que o mundo progressivo já conheceu. Gravado em 18 de Janeiro de 1975 na Academia de Música de Nova York, esse bootleg pertence a tour do Power And The Glory e conta com o melhor line up da banda.

 O perfeito entrosamento entre os irmãos Shulman e o excêntrico baterista John Weathers faz do GG uma das bandas mais respeitadas do gênero.

Apesar de se tratar de um excelente disco, aqui encontramos uma notória mesmice quando se trata dos setlists ao vivo do GG. Sempre os mesmos clássicos mudando uma faixa ou outra em diferentes registros ao vivo. . 


TRACKS:

1. Proclamation 
2. Funny Ways 
3. The Runaway 
4. Experience 
5. So Sincere 
6. Knots 

7. The Advent Of Panurge



YANDEX

sábado, 9 de maio de 2015

FOCUS - The Sky Will Fall Over London Tonight - 1972




Excelente bootleg gravado nos estúdios da BBC em Londres pouco antes do lançamento do excelente disco Focus III que ocorreria em 1973.


Nessa gravação encontramos a melhor formação da banda: Jan Akkerman na guitarra, Thijs Van Leer no Hammond, flauta e vocais, Bret Ruiter no baixo e o mal humorado mas excelente baterista Pierre Van Der Linden que fez miséria na tour mundial do Focus, a qual tive oportunidade de ver em 2010.

Esse registro foi gravado em 12 de Dezembro de 1972 e a qualidade sonora encontra -se impecável.



TRACKS:

1. Bob Harris Introduction
2. Anonymous Two
3. Band Introductions
4. Focus I
5. Focus III
6. Answers? Questions! Questions? Answers!
7. Focus II
8. Bob Harris Once More
9. Hocus Pocus



domingo, 3 de maio de 2015

BLACKWATER PARK - Dirt Box - 1971





Excelente banda alemã vinda da cidade de Berlin e muito pouco conhecida pelos admiradores do prog alemão. Com um estilo mais voltado para o Hard Rock, o Blackwater faz um som mais pesado dando ênfase tanto aos excelentes riffs de guitarras quanto as belas passagens de Hammond.


 Seu vocalista era britânico e com um belo e forte timbre de voz. Destaque para a terceira e pesada faixa " Indian Summer", que nitidamente nos mostra a qualidade, entrosamento e muito virtuosismo entre seus membros. Vale lembrar que a última faixa é uma bela versão de "For No One" composta por Lennon e McCartney e lançado no álbum Revolver de 1966.

Como sempre, boas bandas como essa tiveram carreiras muito curtas, pouco reconhecidas na época e gravaram apenas um disco, os chamados one shot.

Dirt Box foi gravado em Dezembro de 1971 e lançado pela BASF no ano seguinte. Hoje em dia, pedem-se centenas de dólares por essa edição. Há pouco tempo vi no Ebay  um francês vendendo por nada menos que € 450Para a sorte dos colecionadores,  o selo Second Battle lançou a versão em CD recentemente.


TRACKS:

1. Mental Block
2. Roundabout
3. One's Life
4. Indian Summer
5. Dirty Face
6. Rock Song
7. For Noone



sexta-feira, 1 de maio de 2015

VAN DER GRAAF GENERATOR - Itália - 1972



Excelente bootleg que encerra a primeira e magnífica fase do Van Der Graaf. 
Gravado em Roma em 09 de Fevereiro de 1972, encontramos nesse registro faixas dos seguintes álbuns: The Least We Can Do Is Wave To Each Other e H To He, Who Am The Only One ambos de 1970 e Pawn Hearts de 1971.

A qualidade do aúdio é razoável mas em se tratando do Van Der Graaf, vale o registro que é um tanto difícil de se achar por aí.


TRACKS:

1. Darkness (11/11)
2. Lost
3. Lemmings
4. Killer
5. After The Flood
6. Theme One
7. Octopus


YANDEX

sábado, 25 de abril de 2015

LUTO

ACERVO DO AMIGO CARLOS VAZ


O PROGROCKVINTAGE DECRETA LUTO EM SUA PÁGINA EM DECORRÊNCIA DO FALECIMENTO DO QUERIDO AMIGO E PERCURSOR DO MOVIMENTO PROGRESSIVO NO BRASIL, DANIEL CARDONA.

AS PALAVRAS ME FALTAM NO MOMENTO, SERIA MUITO DIFÍCIL E CRUEL TER QUE ME EXPRESSAR AGORA, MAS DEIXO AQUI UMA LINDA LEMBRANÇA A QUAL RELATEI EM 2013 SOBRE A PASSAGEM DO MÓDULO 1000 POR TERRAS MINEIRAS...

(MÓDULO 1000)

A VOCÊ, DANIEL, SÓ CONSIGO AGRADECER POR TER CONHECIDO UMA PESSOA TÃO ILUMINADA E COM ABSURDO CARINHO POR TUDO O QUE FAZIA PELA MÚSICA.

FIQUE EM PAZ MEU CARO AMIGO...




 

terça-feira, 21 de abril de 2015

JETHRO TULL - Songs From The Wooden Grammophone - 1977



Não é segredo pra ninguém que o álbum Songs From The Wood é o meu favorito de toda a discografia lançada pelo Jethro ao longo de quase 50 anos de estrada. 

Disco que compõe a primeira etapa de um trilogia (Heavy Horses-1978/Stormwatch-1979), aborda temas da natureza e de como o homem vem a maltratando na dependência abusiva de sua sobrevivência. 
Baseado em composições mais voltadas para o Folk, Ian Anderson abusa genialmente de belíssimas passagens de flauta entrelaçadas a melodias progressivas muito bem executadas por Barre, Palmer, Barlow e Glascock.

Certamente, o bootleg disponibilizado hoje, marca uma das primeiras apresentações que compunham a tour européia da banda para a divulgação do disco em questão.

Gravado em 19 de Fevereiro de 1977 na cidade de Southampton, o registro conta com versões impecáveis das faixas como "Jack In The Green", "Songs From the Wood", "Velvet Green" e "Hunting Girl", sendo estas as únicas executadas para a divulgação do mesmo e com boa receptividade do público presente. Uma pena a faixa "Cup of Wonder" ter ficado de fora...

Constam também boas versões de alguns clássicos indispensáveis como "Thick as a Brick", "Aqualung" e Locomotive Breath", sendo esta última um dos destaques de todo o disco. Ao seu final, David Palmer dedilha brilhantemente uma pequena parte de "Pomp and Circunstance" (Edward Elgar - 1857/1934) seguido por um solo desconcertante de um poderoso Hammond. 

A qualidade de áudio está a melhor possível. Trata-se de uma gravação vinda das fitas da BBC que, posteriormente, televisionou esse show sendo mais uma apresentação da série BBC In Concert

Nesse registro encontramos também algumas faixas bônus de gravações ao vivo pelos EUA em 1979 e uma linda versão a capela de "Dark Ages", vinda do disco Stormwatch.

Uma curiosidade interessante é a última faixa "Warbrobe Whopper", uma espécie de jingle, supostamente lançada para a divulgação de algum sanduíche da rede americana Burger King. 
As informações são um tanto vagas para se ter certeza de tal publicidade.

Eis um bootleg indispensável para qualquer admirador do gênero progressivo.


TRACKS:

1. Skating Away
2. Jack-In-The-Green
3. Thick As A Brick
4. Songs From The Wood
5. Velvet Green
6. Hunting Girl
7. Aqualung
8. Wind Up
9. Locomotive Breath
10. Sweet Dream*
11. Dark Ages*
12. Dark Ages (A capela)
13. Warbrobe Whopper

*EUA, Abril de 1979



YANDEX


domingo, 19 de abril de 2015

CAMEL - Chile - 2001


Durante a tour do Rajaz em 2001, o Camel se apresentou em diversas cidades da América do Sul incluindo Belo Horizonte, apresentação a qual eu tive o privilégio de estar presente e posso dizer que foi a realização de um sonho.

 Destaco músicas como Echoes, Ice e Lady Fantasy que, com certeza, foram os momentos mais marcantes dessa apresentação. Sem esquecer da formidável dobradinha de Rhayader/Rhayader Goes To Town. Via-se nitidamente que naquele momento a banda se encontrava em total entrosamento, Latimer super inspirado, dedilhando sua guitarra como nos tempos áureos do Camel mas com a voz desgastada com o longos anos de estrada. 

Esse bootleg que vos apresento é praticamente a mesma apresentação que presenciei aqui em BH mas foi gravado e transmitido por uma rádio chilena em1° de Abril de 2001 na cidade de Santiago. 

A qualidade está impecável e com certeza, se trata de uma excelente lembrança para quem compareceu as apresentações do Camel no Brasil. 


TRACKS:

1. Three Wishes
2. Echoes
3. Rhayader/ Rhayader Goes To Town
4. Ice
5. Chord Change
6. Watching The Bobbins
7. Fingertips
8. Rajaz
9. Sahara
10. Mother Road
11. Little Rivers/ Hopelles Anger
12. Lady Fantasy



YANDEX

sábado, 18 de abril de 2015

OZRIC TENTACLES - Pyramidion - 2001




Psicodelia e criatividade são sinônimos desta banda, formada em 1984 na província de Somerset. 

Esta banda inglesa inventou um estilo próprio, e, utilizando-se desta fórmula já lançaram mais de 20 trabalhos, 90% essenciais. Mas como é está fórmula? Simples, adicione uma guitarra ácida e veloz, sintetizadores no melhor estilo “kraut”, uma flauta muito competente (Champignon é um dos grandes destaques) tudo isto a uma sonoridade meio “árabe” formando um tapete sonoro espacial e único. Este é o Ozric!


Para quem tem interesse em conhecer a banda, recomendo que comece por esse disco que foi lançado em forma de EP em 2001 com apenas 5 mas excelentes faixas, a primeira delas é um single que faz uma junção perfeita entre dois sintetizadores criando uma atmosfera misturada a uma "psicodelia espacial". Já as outras são versões ao vivo de 4 composições do Ozric vindas dos álbuns Waterfall Cities (99) e The Hidden Step (2000).


TRACKS:

1. Pyramidion
2. Xingu (Live)
3. Pixel Dream (Live)
4. Arumanu (Live)
5. Sultana Detrii (Live)






quarta-feira, 15 de abril de 2015

YES - Madison Square Garden - 1977


Após a pausa de mais ou menos três anos em estúdio entre os lançamentos dos excelentes e essenciais discos Relayer e Going For The One, o YES volta aos palcos com uma de suas melhores tours que marca a importante volta de Wakeman aos palcos. Nesse show, em particular, percebe-se uma energia muito calorosa e um entrosamento marcante entre os membros da banda. Essa formação (Wakeman, Anderson, White, Squire e Howe) pra mim é a mais clássica, onde o progressivo é mais emblemático e a atmosfera criada por Anderson é ainda mais contagiante.

Esse belo espetáculo ocorreu durante a tour mundial do já citado Going For The One em 7 de Agosto de 1977 no Madison Square Garden em Nova York onde os americanos ficaram extasiados diante a tanta beleza. A pessoa que gravou esse bootleg percorreu várias cidades americanas atrás do YES e registrando a maioria dos shows em áudio. Esse que vos apresento é um dos melhores em termos de harmonia e criatividade. Um exemplo disso é a linda versão de Awaken executada com maestria por Wakeman acompanhado da doce e mística voz de Anderson. Inclusive, creio que esta música em particular, tenha sido a última composição progressiva do YES. 
Destaco também uma de minhas favoritas, Parallels, onde Wakeman levado por uma espécie de órgão de igreja, faz juntamente com Howe uma parceria eletrizante! 

Tenho o YES como uma das minhas bandas mais queridas, foi meio que o começo de tudo nessa minha trajetória musical, portanto, sou meio suspeita em relação as minhas opiniões formadas sobre a banda. Gosto de praticamente todas as fases e formações, desde o primeiro disco, passando pelo tão criticado mas ótimo 90125 até o coitado do Fly From Here que, por mais esforço que eu faça, não dava pra engolir o tal do Benoit David. Até que ele não decepcionou muito no show de São Paulo em 2010 mas o que parecia mesmo era que tava faltando alguma coisa naquele show... 

Devo enfatizar que a qualidade do áudio não é tão espetacular mas como nem todos os bootlegs são perfeitos, fiz questão de compartilhar esse belo espetáculo. 



TRACKS:

01. Firebird Suite  
02. Parallels  
03. I've Seen All Good People 
04. Close To The Edge  
05. Wonderous Stories  
06. Colors Of The Rainbow  
07. Turn Of The Century 
08. And You And I  
09. Flight Jam  
10. Awaken  
11. Starship Trooper  
12. Roundabout  
13. Yours Is No Disgrace  



YANDEX

sábado, 11 de abril de 2015

YATHA SIDHRA - A Meditation Mass - 1974



Banda genial de um som extremamente viajado, cujo o nome já diz tudo: "meditação em massa". Trata-se de um disco lento, demorado composto por uma só faixa dividido em quatro suites que levam o ouvinte a uma outra dimensão, uma espécie de hipnose por 40 minutos.

A bela flauta de um desconhecido mas excelente músico Peter Elbracht e o Moog de Rolf Fichter são os instrumentos que mais se sintonizam no decorrer do disco.

 Mais um "one shot" de primeira que deve ser ouvido por inteiro, sem interrupções, só assim pude entender a verdadeira essência do disco. A primeira impressão é de que o registro seria mal digerido pelos fãs mais exigentes do prog alemão mas mereçe uma chance de ser apreciado por inteiro.Tenho certeza de que será uma bela viagem!!!


TRACKS:

1. A Meditation Mass Part 1
2. A Meditation Mass Part 2
3. A Meditation Mass Part 3 
4. 
A Meditation Mass Part 4


sexta-feira, 10 de abril de 2015

AVISO IMPORTANTE!

 AOS MODERADORES DE GRUPOS DO FACEBOOK:

Estou cansada de ver minhas resenhas publicadas em grupos e páginas do Facebook sem que os devidos créditos sejam citados.
Não me importo em vê-las publicadas por aí mas IMPLORO que sejam dados os devidos créditos ao Progrockvintage​.
Passo horas tentando elaborar resenhas razoáveis pra neguinho tirar proveito como se o mesmo tivesse escrito.
Faça-me o favor né? Isso é muito feio e de uma enorme falta de educação!

domingo, 5 de abril de 2015

[PUBLICAÇÃO] MARCUS VIANA E O SAGRADO CORAÇÃO DA TERRA



Desde dezembro passado, venho tentando escrever algo sobre essa magnífica banda que muito contribuiu para minha caminhada ao que se refere a influências musicais. Hoje, resolvi colocar em prática o que há meses venho rabiscando: uma singela homenagem ao Sagrado Coração da Terra.

Ainda nos anos 80 e com pouquíssima idade, escutava sem saber do que se tratava mas com enorme admiração, fitas K7 que pertenciam as minhas irmãs mais velhas, onde continham as duas primeiras e belas obras do Sagrado. Sendo a segunda (Flecha 1987), tema principal de uma novela global que se tornou sucesso nas rádios não só de Belo Horizonte, como de todo o Brasil. 
Mal sabíamos até então, que a banda já fazia sucesso absoluto no Japão, com milhares de cópias vendidas por aquelas terras.

O Sagrado Coração da Terra comemorou em 2014, os 30 anos do lançamento de seu disco homônimo que, certamente foi o grande ponto de partida para todo o sucesso da banda, liderada por um ser único e iluminado, chamado Marcus Viana.
Virtuoso instrumentista e um dos grandes compositores da música brasileira, começou sua brilhante carreira nos Estados Unidos no começo dos anos 70 quando em seu retorno, foi violinista titular da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais por sete anos até se interessar verdadeiramente pelo Rock Progressivo.

Com o Saecula Saeculorum, formou-se sua primeira banda juntamente com dois músicos de extrema qualidade, o grande e sempre parceiro, Giacomo Lombardi nos teclados e José Audísio na guitarra. Infelizmente, a banda teve uma curta carreira, não chegando a lançar nenhum trabalho oficial por divergências com a gravadora da época.
Já nos anos 2000, o Saecula se reuniu para alguns poucos, porém belos shows em BH, para divulgação e lançamento de um trabalho engavetado por quase 40 anos. Estive presente em duas dessas apresentações que, certamente foram um dos maiores espetáculos de Rock Progressivo que pude presenciar.

Com o Sagrado, Marcus procurou variar entre a harmonia do progressivo sinfônico com melodias que evocam a natureza e a espiritualidade de forma bastante poética, entrelaçando suas belas letras ao som marcante de seu violino.

A banda em seus 30 anos de carreira, sempre contou com variadas formações mas sempre mantendo a qualidade que rege o Sagrado Coração da Terra, chegando a revelar diversos talentos do cenário musical mineiro.

Adepto á trilhas sonoras, Marcus Viana destilou todo o seu talento e virtuosismo quando foi chamado para integrar sua composição Tango, á novela "Kananga do Japão", exibida pela extinta TV Manchete entre 1989 e 1990. Com isso, conheceu o diretor televisivo Jayme Monjardim, que o convidou para ser parte fundamental das principais composições que viriam a agregar a grande produção que rondava a melhor novela exibida pela televisão brasileira, "Pantanal".
Duas de suas composições para a novela constam no terceiro álbum do Sagrado, intitulado por Farol da Liberdade, sendo este lançado em 1991. Neste mesmo disco, contamos com a faixa de abertura da novela "Ana Raio e Zé Trovão", também exibida pela TV Manchete.

Após o estrondoso sucesso de "Pantanal", Marcus Viana se tornou referência quando se trata de trilhas para novela e televisão em geral, fazendo com que o Sagrado partisse para um hiato de quase sete anos após o lançamento do disco Grande Espírito de 1993. Esse tempo foi de bom grado para a carreira desse grande músico que muito contribuiu para a parte instrumental de grandes produções da televisão brasileira, tais como "Xica da Silva", "O Clone", "A Casa das Sete Mulheres" e "Terra Nostra". Além de ser o compositor principal do filme nacional "Olga", também dirigido por Monjardim.

Em um ato de genialidade, Marcus Viana juntou todas essas obras feitas exclusivamente para a televisão e fundou a Transfonica Orkestra, que esporadicamente se apresenta ao vivo pelos teatros de algumas cidades brasileiras, fazendo belas releituras das principais faixas compostas por Viana para esse tipo de produção. 
É algo sem igual, só vendo de perto para se ter noção da beleza de tal espetáculo.

No fim do ano passado, após um longo período fora dos palcos de Belo Horizonte, o Sagrado retorna a sua terra natal para um MARAVILHOSO espetáculo ao qual lotou o Teatro Cine Brasil, reunindo as principais obras da banda ao longo de seus 30 anos de carreira. Como bônus tivemos como abertura, a já citada Transfonica Orkestra que me arrancou lágrimas do começo ao fim.

Todos os discos do Sagrado e algumas das várias obras de Marcus Viana, podem ser encontrados na loja virtual Sonhos e Sons (www.sonhosesons.com.br), que possui sede em Belo Horizonte e também é constituída por um estúdio pessoal onde se produz talentosos nomes da música mineira.

Ao Sagrado Coração da Terra, agradeço por ter sido parte fundamental de minha formação musical em uma época onde eu estava apenas começando a ouvir música de qualidade e que, atulamente em meus 36 anos, reflete muito em tudo o que escuto.
Essa singela publicação, sem fins profissionais, é uma forma de homenagear e agradeçer a banda e todos os seus componentes pelos 30 anos de carreira e pela contribuição para o cenário musical de Minas Gerais. O Sagrado Coração da Terra representou nosso estado em diversas partes do mundo levando a mais bela sonoridade fincada em nossas montanhas.

Sagrado é sagrado...




O PROGROCKVINTAGE em parceria com o canal MUSICAL BOX RECORDS, disponibiliza alguns vídeos da apresentação ocorrida em Belo Horizonte no final do mês de dezembro de 2014.



 

sábado, 4 de abril de 2015

GENESIS - Watcher Of All - 1972


Certamente, o ano de 1972 foi um marco na carreira do Genesis, fizeram mais de 160 shows pela Europa e Estados Unidos com a tour do Nursery Crime e ainda lançaram no outono deste mesmo ano o indispensável Foxtrot
As vezes reluto em postar bootlges de 71/72 por serem um tanto batidos, existem centenas espalhados pela internet e tenho dezenas deles mas sempre procuro postar os de melhor qualidade, a minoria salva. 

Escolhi, este em especial, pela versão definitiva de "Watcher Of The Skies" que, em shows anteriores, estava mais em fase experimental mas sempre abrindo quase todas as apresentações dessa tour em versões diferenciadas. São apenas pequenos detalhes, quase que imperceptíveis como por exemplo, a timbragem do Mellotron na introdução e algumas poucas passagens de guitarra onde Hackett mudava constantemente os acordes da guitarra tentando atingir o tom que soava melhor. 

Se eu estiver errada, me corrijam por favor! Não toco nem campainha e muito menos sei o que é um "Dó" mas creio que possuo um ouvido um tanto apurado para certos tipos de instrumento. Apenas! 

Essa apresentação ocorreu em Solihull, Inglaterra em 25 de Julho de 1972 e conta com excelentes versões de faixas como "The Fountain Of Salmacis" e "Musical Box". Um pequeno detalhe desse registro é a faixa "Twilight Alehouse" pouco tocada durante esta mesma tour.

A qualidade não é das melhores, o som um pouco abafado as vezes mas esse é um dos melhores registros ao vivo lançados pela banda.


TRACKS:

1. Watcher of the Skies 
2. Story Of Thomas S. Eiselburg
3. Stagnation
4. Story Of The First Hermaphrodite 
5. The Fountain of Salmacis
6. Introducing The Triangle
7. Twilight Alehouse
8. Story Of Henry 
9. The Musical Box
10. Story Of A Large Weed
11. The Return of the Giant Hogweed 


YANDEX

sexta-feira, 3 de abril de 2015

GURU GURU - Wiesbaden - 1973


Falar do Guru Guru é meio que chover no molhado....

Percursora do movimento Krautrock, foi formada nos anos 60 pelo baterista Mani Neumeier e pelo baixista Uli Trepte com o nome de Guru Guru Groove como uma banda voltada para o Jazz que tocava ao vivo músicas de Cotraine, Monk e Roach. 
Em 1968 a banda passa a integrar a cena alemã com um show avassalador na cidade de Heidelberg chocando o público com um som bem diferente do que de costume e sem o Groove no nome. 

Já com um grande número de fãs que os acompanhavam pelos festivais da Alemanha, a banda lança no começo de 1970 seu primeiro e excelente trabalho de estúdio intitulado por UFO e já com o virtuoso e excelente guitarrista Ax Genrich dando um toque mais ácido e fazendo com que a banda sustentasse ainda mais uma originalidade única em termos de Krautrock.

A título de curiosidade, Ax ou Axel Genrich é um exímio guitarrista alemão fortemente influenciado por Hendrix e foi membro fundador do Agitation Free em 1970 mas deixou a banda antes mesmo do lançamento do primeiro disco Malesch de 1972. 
Genrich também gravou um excelente disco após sua saída do Guru Guru intitulado como Highdelberg Supersession de 1975 que trazia grandiosos nomes da cena alemã, tais como, Helmut Latter, Jan Fride e Peter Wollbrant (todos do Kraan), acompanhados por Dieter Moebius e Achim Roedelius ambos fundadores do Harmonia e finalizando, Mani Neumeier fiel companheiro de estrada no Guru Guru. Creio que esse disco não seja tão raro de achar pela internet, uma vez que o prog alemão se tornou figurinha carimbada em muitos blogs por aí.

Voltando ao que realmente interessa...

Esse registro ao vivo do Guru Guru gravado em 17 de Setembro de 1973 na cidade alemã de Wiesbaden  não se trata de um bootleg mas sim de uma gravação feita por um amigo da banda que engavetou as fitas da apresentação por décadas, sendo resgatado pelo salvador selo Garden Of Delights e lançado oficialmente em 2010.
O disco contém apenas três faixas, a primeira delas Ooga Booga do álbum Känguru de 1972 que possui uma versão estendida de quase 38 minutos regrada por improvisações alucinantes!!! As restantes são belas versões de Round Race e Das Zwickmaschinchen  do  Don´t Call Us We Call You, disco em evidência na época.

A qualidade é boa, nota-se que as fitas foram bem conservadas com o passar do tempo e o Garden Of The Delights fez o possível para que a qualidade se tornasse ainda melhor.


TRACKS:

1. Ooga Booga
2. Round Dance
3. Das Zwickmaschinchen 



YANDEX

quarta-feira, 1 de abril de 2015

FUCHSIA - Fuchsia - 1971



Prog-folk inglês liderado pelo guitarrista e também vocalista Tony Durant. A banda lançou apenas esse disco no ano de 1971 e em 2005 lançou um outro registro com o nome de Fuchsia, Mahagonny & Other Gems. 

Trata-se de um disco leve, sem muitas influências de grandes bandas da época e com um estilo prórpio voltado para o folk. Suas melodias são bem suaves que compõe instrumentos como violino, violão e um lindo Harmonium, além do básico baixo, guitarra e bateria. 

O único defeito são os backing vocals que poderiam muito bem ter ficado de fora mas não chega a tirar a beleza do disco que mistura um estilo gótico com arranjos de cordas que, em certas partes, nos remete ao bom e velho Canterbury. 

Pra quem gosta do estilo, é um prato cheio. Eu particularmente, adoro esse disco e não poderia deixar de dividí-lo com vocês.


TRACKS:

1. Gone With The Mouse
2. A Tiny Book
3. Another Nail
4. Shoes And Ships
5. The Nothing Song
6. Me And My Kite
7. Just Anyone